As doenças dos nossos filhos (que não estão contemplados nas nossas agendas profissionais ou na gestão doméstica) são um teste às nossas inspirações parentais e intenções profissionais!
Mas mais do que isso… consomem rapidamente a nossa bateria (como algumas app. nos telemóveis)!

É óptimo quando existe rede de apoio!
Quando não existe, cá estamos com os 2 braços a cuidar de tudo o que nos é possível, com a sensação que a vida se esqueceu que não somos animais com tentáculos!

Estar a meio de uma consulta quando o telemóvel toca com o contacto da escola de um deles …

Subir com a filha mais nova ao colo (que tinha adormecido profundamente no vinda da escolinha), com as mochilas dos dois, sacos, chaves e casacos, com o guru mais velho a chorar com dores de ouvidos…

Quando adoecem no dia em que é preciso ir às compras, por estarem a acabar os bens básicos…

Esperas até ao dia seguinte na esperança que esteja melhor e lá vais com a criança sentada dentro do carrinho das compras até não caber mais nada. E, quando estás mesmo a terminar os frescos, diz-te a gritar “preciso de fazer chichi agora!”. (Valha-nos os seguranças dos supermercados que ficam a guardar o carrinho de compras). Mas isto foi só o começo, com o carrinho cheio, pede-te colo… o colo que merece que precisa (afinal está doente). Percebes os olhares “Como vai conseguir levar o carrinho cheio com a criança ao colo” … caramba se os conseguimos gerar e parir … isto fazemos com uma perna às costas! (era o que gostava de ter pensado na altura!)

Mas o cansaço da noite mal dormida, dos reagendamentos profissionais, cozinhar comidas extras mais saudáveis, das tardes de colo, mimo e histórias; da impaciência/irritabilidade das crianças (com necessidades extras), dos  cuidados de saúde (dos quais já estão fartos), já há muito que nos deixaram com a bateria a apitar por termos entrado na “reserva”!

Quando um melhora e regressa à escola, não raras as vezes, começa o outro pequenote a queixar-se com dores/desconforto…

Reviram-se os olhos, rodam-se os ombros, respira-se fundo e lá vamos nós continuar a puxar pela bateria mais um pouco.

Quando ambos regressam à escola, desilude-te se pensas que já está tudo a voltar à normalidade!

Afinal, quando carregaste as tuas baterias?

Agora não dá!” dizemos para nós próprias como a justificar-nos.

Somos como um carro quando começa com a luz a piscar, podemos tratar logo do que precisa ou “deixar andar” até ele parar! (Quase com o pensamento mágico que isso não irá acontecer connosco…)

E acredita o nosso corpo tem muitas formas de nos fazer parar … constipações, gripes, enxaqueca, dores musculares … (estas até são as mais simpáticas…) !

Cuidar de TI é tudo o que a tua família precisa! 

Cuidar de ti só depende de ti mesma!

… ninguém o pode fazer por ti!

E podes pedir ajuda:

  • aos teus filhos para que, pelo menos durante umas horas te deixem dormir/descansar (mesmo que te acordem para dar beijos e para perguntar se já estás melhor de 5min em 5 min). Se tiveres bebés, pedir ao outro cuidador para te acordar só quando for preciso mamar, por exemplo.
  • Pedir ao companheiro, à mãe para cozinhar (encomendar/ir comprar) umas refeições, para poderes ficar a descansar (a dormir ou acordada) no sofá uma tarde de fim-de-semana, numa noite, tomar um banho relaxada…ires ter com uma amiga; teres um momento contigo mesma …

Tu e eu sabemos o que cada uma de nós precisa para se nutrir … mesmo quando não conseguimos encher a bateria a 100% qualquer valor acima dos 50% já é positivo!

Ao cuidar dos outros precisamos de tempo para cuidar de nós.
Não é um capricho é uma necessidade universal!
Como pode um poço dar água se o deixarmos secar?

Já agora, como anda a tua bateria?

SUBSCREVE AGORA 

One thought on “Cuidar de TI é uma necessidade não é um capricho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *