Com o aproximar das férias a criança dentro de nós começa a saltitar, aparecem umas borboletas no estomago, uns suspiros inesperados. A nossa mente tende a vaguear por inspiradoras memórias de bem-estar e acabamos rendidos às expectativas.

Mas, ir de férias depois de sermos pais tem nuances diferentes, das férias gozadas antes de sermos pais!

E não me refiro só à bagagem! A inspiração é a mesma: desfrutar ao máximo! O ritmo é que muda completamente.

Agenda das crianças é diferente da agenda dos adultos, há que gerir as nossas expectativas!

A agenda dos adultos é muito ambiciosa tendo em conta a capacidade do próprio organismo, da maturidade da criança para lidar com tantas novidades.

O que para nós significa entusiasmo pelas nossas memórias de experiências passadas, para as crianças significa um esforço extra para processar e assimilar tamanha quantidade e qualidade de informação nova.

 Ex.: o pequeno-almoço dos hotéis para os adultos que gostam de saborear, significa uma degustação dos deuses, capaz de nos fazer saltar da cama cheios de entusiasmo. Já para as crianças, significa quebrar todas as suas rotinas, vestir e sair minimamente apresentável antes de se terem alimentado. Quando chegam à sala do pequeno-almoço confrontam-se com inúmeras pessoas novas e são inundadas com milhentas possibilidades. Na melhor das hipóteses é-lhes dada a escolher como se querem alimentar. Na pior das possibilidades ficam restringidos ao que podem comer, enquanto os seus sentidos experienciam uma overdose de cheiros, cores, texturas diferentes e apelativas, ansiando pela experimentação do seu paladar.

É claro que esta situação muda de família para família. Este fim-de-semana, foi a primeira vez em que não levei o pequeno-almoço que costumam tomar, como não gostaram de praticamente nada, acabaram por comer muito pouco!

 Um mundo de novidades nem sempre é entusiasmente para as crianças, pelo contrário, pode ser desgastante!

É compreensível que estes seres magníficos que ainda estão a aprender a lidar com as emoções, entrem rapidamente em colapso sensorial com tantas informações sensoriais novas (ver http://bestofme.pt/2016/11/01/birra-colapso-sensorial/ ). Obviamente que varia consoante a maturidade da criança, do tipo de personalidade predominante (energia) e do seu estado de humor.

Lembremo-nos que manter as rotinas, que é um aspeto fundamental para lhes passar conforto e segurança, nem sempre é possível nas férias.

Ex.: Quando dormem numa cama e num quarto que não o delas, é normal que estranhem as primeiras noites. Afinal, ainda não tiveram possibilidade de os assimilar como sendo o seu porto seguro, como o seu lar!

Precisam da nossa Abertura, Paciência, Não julgamento, Confiança, Não-esforço, Aceitação, Deixar Ir (a expectativa da agenda de férias) e da nossa Generosidade.

Que tenhamos consciência das suas necessidades e das limitações face à sua maturidade!

As férias significam um reset, um começar sem bagagem (do passado) – Mente de Principiante. De estar com eles de coração aberto, apoiá-los, respeitando os seus tempos, os seus receios, ajudando-os a ultrapassá-los com compaixão, com empatia!

Férias com Mindfulness&Heartfulness para que pais&filhos desfrutem das merecidas férias!

(Créditos: foto de Inês Gaspar)

SUBSCREVER AGORA